domingo, 24 de outubro de 2010

(Antiga) Agora, infelizmente,

é definitivo. Nem pude te dar um abraço como adeus. Então, o que me resta é imaginar como você pode estar agora, em um lugar muito melhor do que aqui. Acredito que, mesmo longe, para sempre vai ficar no meu coração; me ajudando nas horas difíceis, como sempre fez. Só me pergunto, quem vai erguer a minha cabeça nas horas de dor? Quem vai dizer que para tudo, sim!, sempre tem uma saída? Nunca imaginei que poderias ir embora de uma maneira tão cruel. Mas, eu te prometo; a justiça vai ser feita! Por mais que eu saiba, que você não irá ler este texto, eu sinto a sua presença aqui, do meu lado, em quanto escrevo. Ao fechar os olhos na hora de dormir, ainda vejo o seu sorriso. Se fosse capaz escrever tudo o que sinto, acho que nunca acabaria. Ontem foi um dia muito mais que doloroso, completaram-se sete dias que você não está mais aqui; manchetes e mais manchetes nos jornais, e uma multidão de pessoas lendo e desejando pêsames a nós. Dizendo que sentem muito mas, não. elas não sentem. Ninguém consegue sentir o vazio que eu sinto, penso: “Por quê?! Por que justo você?!” e, no lugar onde você morreu, ainda está a marca do seu sangue, isso é uma coisa que só a chuva poderá apagar; mas simbolicamente, para sempre irá ficar lá... Perdi mais um amigo, é como se pudesse me ver sozinha, sem mais nenhum amigo. Tenho sentido falta dos seus abraços ...
em fim, algum dia ainda vamos nos ver, em um lugar longe daqui.